PRINCÍPIOS PARA A VIDA CRISTÃ.

 

ESBOÇO 1087

TEMA: PRINCÍPIOS PARA A VIDA CRISTÃ.

TEXTO: ÊXODO 20:1-17

Inicio dizendo que Deus estabeleceu princípios e regras que são fundamentais a conduta humana, as normas visavam o bem-estar de todos os homens, dando a cada indivíduo o direito de livre escolha se obedecer ou não. Talvez seja forte o que falarei nesse comentário, contudo serve de despertamento para o povo de Deus. No assunto citarei rapidamente sobre as instituições humanas e a igreja.

LIVRES ESCOLHAS.

Deus nos deu a liberdade de fazer as nossas escolhas, isso para todas as finalidades, no entanto devemos saber que todas as nossas escolhas se deparam com instituições e elas são regidas por normas ou regras, aqueles que ingressarem nessas instituições devem ter a ciência que há deveres ou obrigações e elas serão cobradas. Algumas pessoas não gostam de submeterem-se as normas em determinados lugares, mas é preciso levar em consideração que nenhuma instituição é obrigada a aceitar pessoas que não cumpram normas, isso é valido para todas as instituições, principalmente as religiosas as que irei focar mais adiante.

DEFINIÇÃO

1. Normas; lei, preceitos, regras, padrão.

2. Regulamentos; normas, preceitos, determinação, portaria, prescrição;

3. Disciplina; ordem, norma lei, regras. 

NORMAS DE TRABALHO.

1. Capacitação: É imprescindível em muitas empresas, elas requerem uma preparação.

2. Fardamento: Há empresas que exigem que seus funcionários trabalhem fardados;

3. Equipamentos de segurança, ele é essencial para evitar acidentes;

4. A empresa pode punir com suspensão e até demitir o funcionário que não cumpram as normas de segurança.

INSTITUÍÇÕES PÚBLICAS

1. Nas instituições públicas existem normas para ter acesso a elas, exemplo: Quartéis, Fóruns, entre outras, elas não permitem que as pessoas se dirijam sem se adequarem as suas normas, por exemplo: estar com trajes inadequados como bermudas, camisetas regatas, sem camisa, embriagado ou armado, essas normas devem ser obedecidas sob penalidades.

OS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS.

1. Estatuto e regulamento para servidores públicos regem a conduta do funcionalismo e a maneira como desempenhar as suas funções.

2. As instituições públicas podem punir com advertências e até com suspensão caso o funcionário continue a descumprir o estatuto do servidor.

As empresas privadas também têm suas normas e são impostas para que sejam cumpridas pelos seus funcionários sob algumas penalidades e até rescisão do contrato de trabalho.

INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS.

As instituições religiosas também tem o seu estatuto e nele há regras impostas ao que se tornar membro daquela instituição, entretanto ninguém é obrigado a cumprir tais regras, mas também a igreja não será obrigada a recebe-lo ou mantê-lo como membro. No ato da profissão de fé o candidato ao batismo declara publicamente a obedecer fielmente às normas, obediência a Deus e a igreja, ou seja, os princípios cristãos, se ele não cumprir está sujeito a ser corrigido.

A IGREJA PRIMITIVA

Os apóstolos se apropriaram das normas já existentes baseadas nos dez mandamentos, a igreja zelava pela ética e os bons costumes dos seus membros, assim sendo, caso a pessoa aceitasse seriam consideradas fiéis a aqueles princípios, os ensinamentos de Cristo também deviam prevalecer entre os cristãos, as pessoas que não as cumprissem ou vivessem conforme os ensinamentos de Jesus Cristo, aquele indivíduo deveria ser considerado desobediente, o qual deveria ser afastado (I Co 5:11; Mt 18:17; 2 Ts 3:6,14). A bíblia também apresenta os deveres sociais e espirituais do cristão (Hb 13:1-6; 13:7-17), vejam a seriedade que havia entre os cristãos naquela época leia como havia um grande temor na igreja (At 5:3-5).

DEVERES DOS LIDERES

Era obrigação dos bispos terem as qualificações morais e espirituais para dirigir o rebanho. Eles deveriam servir de exemplo para os fiéis em tudo, essa missão é de grande responsabilidade, não somente no primeiro século, mas até os dias atuais. Todo Pastor, Bispo, Diácono tem a responsabilidade imposta pela própria palavra de Deus, tanto AT. Quanto o N.T. eles apresentam as qualificações para o exercício do sacerdócio. O bispo ou apóstolo deve ser sempre o exemplo para o rebanho, pois o destino do rebanho depende dele, e ele dará conta a Deus.

A IGREJA UM ABIENTE SAGRADO.

A igreja não é qualquer um lugar, senão a casa de Deus, todos aqueles que adentram deve ter o sentimento da presença de Deus ali (Ec 5:1; Ex 5:5; I Sm 15:22). Jesus expulsou os cambistas, trocadores e comerciantes do templo alegando ser aquele recinto a casa do seu pai, casa de oração (Mt 21:13), mas será que Jesus exagerou? Vejam (Is 56:7; Jr 7:11). A casa de Deus é o lugar aonde permanece a glória de Deus, lugar santo e sagrado. Ultimamente muitos cristãos não reverenciam a Deus, mas seus celulares, suas sefs, bate papos na hora do culto, isso é ser irreverente e um impedimento do mover do Espirito de Deus no ambiente de adoração (Ec 5:1,2).

Amados, devemos entender que na igreja do Senhor há normas ou regras que são baseadas nos princípios estabelecidos por Deus. Devemos guardar os nossos pés ao adentrarmos a casa de Deus, muitas vezes a casa está cheia, mas de gente vazios de Deus, parece que aquele sentimento cristão do princípio da fé está desaparecendo, e isso é o resultado do afastamento de muitos dos cultos de doutrinas. Muitos não têm mais a noção do que um culto a Deus, pois perderam a sua espiritualidade e estão vazios e praticamente para os tais o culto não tem sentido, assim vão ao culto apenas para o culto ouvir o que gostam, ou seja, aquilo que massageiam o seu ego, isso é um perigo a fé “Quando o Senhor vier será que achará fé na terra?” Pensai nisso antes que o Senhor venha, ainda a tempo de voltar ao primeiro amor. “OBEDECER É MELHOR QUE SACRIFICAR.” (I Sm 15:22).

Pr. Elis Clementino – prelisclementino@hotmail.com


O PODER DA FÉ.

 

ESBOÇO 1086

TEMA: O PODER DA FÉ.

TEXTO: "Porque em verdade vos afirmo que, se alguém disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar, e não duvidar no seu coração, mas crer que se fará o que diz, assim será com ele” MARCOS 11:23

Montanhas removidas é uma afirmação de Jesus a respeito da importância da fé e o que ela é capaz de realizar, a fé é fundamental para a superação dos nossos problemas. Nesse assunto sem muitos pormenores e de maneira lacônica falarei sobre o que é a fé, e como ela se manifesta através do crer. 

O QUE É A FÉ?

Para entendermos faz-se necessário saber o significado da fé. “, porém, é um ato de entrega e confiança sem nenhuma comprovação em troca. Ter fé é comprometer-se; com Deus, com o outro e com a natureza.” A Bíblia define a fé como a carta aos hebreus; Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se veem (Hb 11:1). A fé não é vista, mas percebida nas pessoas através das suas atitudes de fé (Mt 8:5-13; Tg 2:17,18). O cristão confessa a sua fé em Deus pela crença da sua existência, assim sendo a fé não se manifesta no crente de maneira isolada sem uma intervenção divina, nele ela é acrescentada (Lc 17:5). Existe a fé maligna ou diabólica essa é aquela que o indivíduo deseja o mal a outras pessoas. A fé não deve ser exibida para demonstrar para demonstrar a capacidade espiritual ou para provar quem tem mais ou menos fé.

REMOÇÃO DA MONTANHA.

Mover montanha significa que não há nada impossível para aquele que confia em Deus. Jesus faz uma ilustração para mostrar o poder da fé. Existem obstáculos diante de nós que são maiores que as montanhas lit. (Mc 11:23; Mt 11:20-26). Há vários tipos de montanhas em nossa frente às quais somente podemos removê-las através da fé, algumas delas são: doenças, sensualidade, ódio, egoísmo e outros pecados, pois essas coisas não podem ser removidas facilmente do nosso interior, pois são elas as montanhas difíceis de serem removidas a não ser por meio da fé. Há outros textos importantes e simbólicos, os quais somente serão citados os versículos (Is 2:2; Zc 4:7; Is 41:14-16; Zc 14:4; Is 40:4). A fé e o crer não são as mesmas coisas, mas elas andam juntas.

1. Sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11:6);

2. Quem se aproxima de Deus crer que ele existe (Hb 11:6);

3. A fé vem pelo ouvir (Rm 10:7);

4. A fé lhe encaminha para crer (Rm 1:16);

5. A fé, não precisa ver para crer (Jo 20:29; Hb 11:1,27).

6. A fé sem as obras é morta, se você diz ter fé apresente-a pelas obras (Tg 2:17,18), a fé precisa ser provada pelas obras, mas há cristãos que dizem baseados em (Ef 2:8) que as obras não tem papel nenhum na salvação, mas, mediante a fé salvífica não, no entanto conforme Tiago, para você provar a sua fé e testemunhar dela é necessário que ela seja vista pelas suas obras.

O CRER.

1. O crer em Deus é o primeiro passo ao ouvir o evangelho, o crer encaminha o homem a alcançar os favores divinos (Mc 9:23; Jo 11:40).

2. Aos que crerem no evangelho lhe é concedido o poder de ser salvo (Rm 1:16);

3. Com o coração se crer (Rm 10:10);

4. Não devemos ver para crer, mas crer para ver (Jo 20:29).

A falta de fé e a incredulidade são barreiras que nos impedem de ver os milagres acontecerem em nossas vidas, elas são pedras que nos atropelam no caminho, necessariamente precisamos removê-las, Jesus conhecia essa necessidade nos discípulos, como em nós também, pois a nossa incredulidade nos impede de desfrutar de muitas bênçãos divinas. Muitas são as montanhas diante de nós que precisam ser removidas, mas somente fazendo o uso da fé, as pedras da incredulidade que está diante de nós serão removidas. A incredulidade é um perigo, ela trará julgamento para Cafarnaum porque não creu nos milagres de Jesus, e por isso ela seria penalizada no dia do juízo muito mais rigor do que Sodoma (Mt 11:20-26). Ponha a sua fé em ação e verás o que Deus é capaz de fazer por você (I Jo 5:4-7).

Pr. Elis Clementino – prelisclementino@hotmail.com

A BUSCA DO PERDIDO.

 

ESBOÇO 1085

TEMA: A BUSCA DO PERDIDO.

TEXTO: “Ou qual a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma dracma, não acende a candeia, e varre a casa, e busca com diligencia até a achar?” LUCAS 15:8-10

Na vida perdemos muitas coisas sem que sejam tão valiosas, outras com valores estimáveis, uns perdem e não buscam recuperá-los, outros mesmo sem pouca importância eles se esforçam para resgatá-las. Há valores que jamais serão recuperados, e muitas vezes desistimos de ir atrás, entre estes alguns deles foram livramentos, porém há outros valores que somente Deus pode trazê-lo de voltar as nossas mãos. Essas coisas acontecem com o ser humano, onde perdas e ganhos fazem parte da vida, os grandes empreendedores sabem o que significa perder e recuperar as perdas, muitos deles continuam lutando para substituir aquilo que perderam, pois é assim em todo mundo. Henry Ford faliu várias vezes antes de ter a maior indústria automobilística do mundo, em todas as vezes que ele faliu conseguiu se reerguer. Traçando um paralelo sobre essa parábola de Jesus desejo falar sobre a busca dos valores perdidos, principalmente aqueles que somente Deus pode trazê-los de volta, os valores morais e espirituais.

I. A DESMOTIVAÇÃO

A desmotivação é um dos piores sentimentos de um ser humano, ela não lhe permite correr atrás para resgatar algumas preciosidades e valores que perdeu, embora haja alguns valores que realmente ele não conseguirá, mas certamente sentirá o alívio da dor da perda quando conquista algo maior e melhor. A desmotivação lhe faz parar no tempo. Não existe maquiagem para disfarçar os olhos fundos, tristes e faces caídas de um desmotivado. Se você perdeu alguma coisa valiosa e está desmotivado, se anime e nem perca as esperanças porque vêm coisas melhores para você.

2. VALORES MORAIS E ESPIRITUAIS

A dracma perdida, para a mulher aquela dracma representava valores, ela empregou todos os seus esforços para encontrá-la, acendeu lâmpada, varreu a casa, se não persistir e não empregar esforço jamais trará de volta os valores perdidos. O valor das coisas quem dá é o próprio indivíduo, ao encontrar a dracma a mulher realizou um banquete convidando seus vizinhos, pois foi grande a felicidade ter recuperado o que havia perdido, pois isso é válido tanto para bens valiosos da vida, quanto aos valores espirituais ensinados por Jesus, a preciosidade e a maior pérola à salvação (Lc 15:8-10).

Há pessoas que não valorizam o que possuem, o filho pródigo abandonou todos os valores, até seus familiares, ele tomou a decisão de ir embora, essa foi uma decisão precipitada do próprio jovem, ele abandonou a casa saindo sem ter um destino, a partir daquela hora o seu destino foi por ele pré-determinando e com pouquíssimas chances de ser bem sucedido, morrer na miséria ou voltar para os braços do pai. A ilusão faz com que o indivíduo não valorize os valores fundamentais da vida, mas somente algo errado poderia fazê-lo pensar sobre o que ele havia perdido, portanto nem tudo o que pensamos dará certo, às vezes somos surpreendidos com aquilo que não gostaríamos. A nova vida de inexperiência daquele moço resultou nos desejos das bolotas que os porcos comiam, mas agora só lhe sobrou uma alternativa, voltar para casa, mas caindo em si, disse ele: pequei contra o céu, contra a minha família, mas agora levantar-me-ei e irei ter com meu pai, e lhe direi: pequei, já não sou digno de ser chamado teu filho....(Lc 15:11-32).

4. DEUS RESTAURANDO VALORES

Há valores que sozinhos não podemos resgatá-los, mas certamente Deus fará surgir alguém para nos ajudar a trazê-lo de volta, MEFIBOSETE havia perdido tudo, nada mais lhe restava a não o desolação e abatimento, jamais ele esperava trazer de volta o que havia perdido (2 Sm 9:11), sentar à mesa do rei e comer com ele era praticamente impossível, pois ele era deplorável o seu estado, ele se considerou um cão morto mediante o convite, Deus fez Davi lembrar do pacto com seu pai Jonatas “Ainda há alguém que restou da casa de Saul?” respondeu Ziba, sim Mefibosete, vá buscá-lo que eu quero que ele esteja a mesa comendo pão comigo, diz Ziba, mas ele é aleijado, na hora de alguém te honrar há pessoas que procuram logo ver teus defeitos para te empurrar para trás (2 Sm 9:1-11).

Cada um deve se esforçar para buscar aquilo que está ao seu alcance, o que não podermos somente Deus pode fazer. Não desperdicem valores, muito menos os espirituais, se houve alguma perda o que se deve fazer é reavê-los. Para Deus o que havia de mais valioso é o homem que havia se perdido no mundo pecaminoso, vivendo sem esperança, mas graças a Deus que Jesus Cristo veio resgatar esses valores, é bom ler: (Cl 1:15-23). Jesus o valor que sobrepuja todos os valores, a nossa alma festeja quando o encontramos.

Pr Elis Clementino – prelisclementino@hotmail.com

O CRISTÃO E A ACÁCIA.

 

ESBOÇO 1084

TEMA: O CRISTÃO E A ACÁCIA.

TEXTO: EXODO 25:10-15

A acácia é um tipo de madeira de pouco valor, ela se desenvolve em lugares ermos e produzem lindas flores. A acácia foi escolhida e indicada por Deus a Moisés para confeccionar a arca da aliança, peça que representava a presença de Deus, apesar de ela não ser tão valiosa, mas foi designada por Deus para a confecção da arca, mas para isso ela receberia um tratamento todo especial para se tornar valiosíssima e ideal para o que fora designada por Deus. É sobre a acácia que iremos discorrer nesse mote.

SIGNIFICADO.

Acácia no hebraico “Hb shit táh”, também significa “inocência” ou que não tinha malicia, sem maldade, esse nome também tem origem do grego akákios significando acácia, também mencionada como gofer na confecção da arca (Gn 6:14). Dessa madeira não somente foi confeccionada a arca da aliança, mas também as outras peças do tabernáculo como a mesa dos pães da proposição, os adornos do tabernáculo, os varais, e o altar do incenso, essa madeira era chamada também cetim (Ex 25:10). Havia outros tipos de madeiras mais preciosas, contudo Deus indicou a Moisés foi a acácia (Ex 36:20,21), talvez essa madeira tenha sido escolhida por Deus por ser uma madeira simples, pois tudo o que Deus utiliza para realizar algo por mais frágil que seja tem rico significado, isso indica que para Deus não importa o valor quando ele próprio tem o poder de transformar e valorizar. “No Brasil o valor pago pelas indústrias de celulose está abaixo do esperado, e para não perder dinheiro, agricultores vendem a acácia como lenha”. www.agron.com.br

PORQUE DEUS ESCOLHEU A ACÁCIA?

As coisas e pessoas consideradas frágeis para nós, mas são valiosas para Deus, pois ele não vê como o homem vê. As coisas que são consideradas desprezíveis pelo homem, mas não para Deus, a maior prova disso é você; (quem diria que serias um instrumento nas mãos de Deus), mas antes disso ele faz um tratamento especial como: tirando da prata a escoria; a borra que ele tira do ouro, e o tesouro que enriquece o vaso e a madeira revestida com ouro, todo esse tratamento Deus faz para que nos tornemos vasos de honra em suas mãos.

A acácia recebeu um tratamento especial, ela foi trabalhada para poder ser utilizada na confecção do tabernáculo e demais peças sagradas. A tábua da acácia foi totalmente coberta com ouro puro por dentro e por fora (Ex 25:10,11). Qualquer coisa por mais simples que seja após receber acabamentos adquire valor.

Deus têm a maneira de tratar e dar esses acabamentos, ele lapida as pedras, prepara madeira e amassa o barro com a finalidade de torná-lo vaso de honra. As peças do tabernáculo e da arca da aliança foram preparadas antes de serem usadas, após serem elas preparadas foram utilizá-las da forma como bem perecesse aos seus olhos. As coisas simples e humildes Deus pode fazê-las ou torná-las em grandes revelações, porque para ele nada é impossível (Lc 1:37).

A ESCOLHA DIVINA.

Tudo o que Deus escolhe deve ser trabalhado para alcançar padrões dignos da sua aprovação, assim (Deus escolhe coisas e pessoas que jamais teríamos coragem de escolher). Para Deus é importante que o homem tenha no mínimo a predisposição de se entregar em suas mãos, para que ele realize o seu querer.

Existem muitas maneiras de Deus preparar o cristão para usá-lo na sua obra, basta lembrar sobre o valor da acácia e o lugar nobre que ela ocupou, todo o seu valor aconteceu após receber a cobertura de ouro puro, no entanto é assim que Deus trata e preparam aqueles a quem tem propósitos. Ele se utiliza das coisas vis deste mundo para confundir as grandes; “Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; E Deus escolheu as coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são; Para que nenhuma carne se glorie perante ele.” (I Co 1:27-29).

Vamos lembrar-nos do barro nas mãos do oleiro ao invés da acácia, vamos a outro tipo de material frágil, “o barro” ele é escolhido com a mesma finalidade, usá-lo depois de trabalhado. O barro foi processado e utilizado na formação do homem, pois são assim, coisas fracas e vis, Deus usou esse método para que o homem fosse sempre identificado entre as coisas fracas e vis. Nenhum valor teria o barro se não fosse o trabalho realizado pelo oleiro (Jr 18:1-4); Segundo Paulo o barro foi enriquecido através do tesouro, “tesouro em vaso de barro” (2 Co 4:7). Somos um vaso de barro e nele abrigamos um grande tesouro “Cristo” é ele que lhe enobrece, ou seja, lhe torna valioso (a). O ouro que envolvia a acácia a valorizava, assim é a presença de Cristo em nós, Paulo ilustrou muito bem na sua carta a igreja de coríntios afirmando que Cristo é o tesouro que nos enriquece e que nenhuma glória terá o homem em se exaltar a não ser nesse tesouro “Cristo” ele é a nossa glória, e se quiser se gloriar que se glorie nele (Jr 9:23,24; Rm 5:11; 2 Co 10:17).

Amados, devemos entender que não há nenhum valor fora de Cristo, com ele o nosso barro “eu” reluz como astros no mundo, o Senhor tira da prata as escórias, e sairá o vaso para o fundidor (Pv 25:4). Se você é semelhante à acácia, podes ser revestido de nobres qualidades, o Espírito Santo se encarregará de fazer isso lhe enchendo de poder e de glória. Você é comparado à acácia coberta com ouro puro, uma joia rara nas mãos de Deus. Glória a Deus!

Pr. Elis Clementino – prelisclementino@hotmail.com

O PREÇO DA DESATENÇÃO.

 

ESBOÇO 1083

TEMA: O PREÇO DA DESATENÇÃO.

TEXTO: LUCAS 22:31-34

O ser humano em alguns momentos pode está desatento e por causa disso sofrer as consequências. O discípulo Pedro teve momentos que não refletiu o que resultaria algumas das suas atitudes precipitadas, embora seja bem provável que os demais também cometeram, mas não tiveram destaque quanto às atitudes de Pedro e as sucessões de erros cometidos por ele. Os escritores dos quatros evangelhos apenas registraram os de Pedro, contudo as suas falhas nos deixaram lições importantes para o nosso cotidiano. Veremos nesse comentário alguns episódios na vida de Pedro que marcaram a história do cristianismo, como: A sua precipitação, o negar ser discípulo de Cristo, o seu abatimento e a sua restauração.

A FALTA DE ATENÇÃO DE PEDRO

Jesus sempre advertiu seus discípulos sobre os perigos por estarem em uma guerra espiritual (Lc 22:31-32), mas parece que as vezes não damos atenção as advertências sobre os riscos que corremos durante as batalhas espirituais. Muitas vezes subestimamos o poder do inimigo, mas quando agimos assim estaremos vulneráveis aos ataques (2 Co 2: 11; I Pe 5:8).

PEDRO E A SUA CORAGEM DESMEDIDA.

Pedro se destacava entre os discípulos pela sua bravura e temperamento forte, rude, aguerrido sem saber ainda controlar seus sentimentos, ele quis ser um grande defensor do seu mestre (Lc 22:33). Jesus não precisava da sua defesa, pois ele tinha milícias de anjos ao seu dispor (Mt 26:53). A autoconfiança de Pedro levou-o ao fracasso (Mt 26:33), não devemos confundir fé com autoconfiança e quando isso acontece logo vem a ruína (Pv 16:8; Jr 17:5-7). Devemos ter muito cuidado para não sermos traído pelo seu próprio ego.

A AUTOCONFIANÇA DE PEDRO

A autoconfiança nos conduz a precipitação, tanto uma como a outra estão presente no nosso cotidiano, em alguma ocasião nos precipitamos, principalmente por palavras, pois os problemas das precipitações são as sequelas. Algumas vezes Pedro se precipitou e foi repreendido pelo Senhor, pois as ideias precipitadas trariam consequências não somente para ele, mas para todo grupo, muitas vezes não temos a dimensão do que uma atitude precipitada pode causar a nós e aos outros. Notemos no texto que Pedro fez uma declaração que seria capaz de morrer pelo seu mestre, outra ocasião Jesus falando sobre a sua morte ele precipitadamente disse “tal coisa não te aconteça”, no ultimo instante no momento da prisão mais uma vez Pedro se precipita usa a sua espada e decepa a orelha do servo do sumo sacerdote (Jo 18:10).  Após a prisão do seu mestre Pedro sentiu um grande vazio e descobriu que na realidade só seria importante na companhia do seu mestre, em seguida decepcionado afastou-se do grupo e daí começou a maratona de desgosto, medo e pavor.

AS VIRTUDES DE PEDRO.

Jesus conhecia Pedro como ninguém, ele conhecia as suas virtudes, ele era trabalhador, o zelo fazia parte da sua índole, mas ele não sabia controlar seus sentimentos, ele era temperamental sanguíneo, um defensor do mestre, coragem, que os outros não possuíam, mas tinha um coração quebrantado, quando repreendido aceitava a repreensão (Mt 16:23).

A NEGAÇÃO DE PEDRO.

Ao lume da noite e longe do grupo foi ele se aquecer junto às fogueiras, o seu jeito e a capa que estava sobre ele chamou a atenção dos transeuntes, eles perceberam logo que se tratava daquele que estivera com Cristo, talvez jamais ele esperasse aquele momento tão cruciante, abatido pelo desgosto e voz embargada sendo ele indagado se era um deles, imediatamente negou a primeira vez não conhecer o Cristo, novamente perguntado negou, não o conheço, na terceira vez saiu certamente resmungando, naquele momento cumpriu-se o que Jesus havia lhe dito “Antes que o galo cante três vezes me negarás” (Lc 22:44; 54-61), ao ouvir o canto do galo naquela ocasião, desejamos usar um termo bastante conhecido para ilustrar a nossa ideia “a ficha caiu” e Pedro chorou amargamente (Lc 22:62). Imaginemos o sentimento de culpa e de traição a aquele que fora leal para com ele, o seu Mestre amado.

JESUS RESTAURA PEDRO.

O mais impressionante foi a restauração de Pedro. Após varias aparições, Jesus facilita uma grande pescaria e come peixe com os discípulos, essa era a terceira vez que Jesus se manifestava a eles (Jo 21:4-9), o interessante é que Jesus ainda contava com Pedro, após comer com eles, Jesus chama Pedro e o interroga dizendo: por três vezes, Pedro tu me amas? Ele respondeu sim, Senhor, tu sabes que te amo (Jo 21: 15-19). O que passou pela cabeça de Pedro ao ouvir essas interrogações, eu pressuponho que talvez Pedro tenha pensado, porque ele me faz essa pergunta e não aos outros? Será que foi porque o neguei? Pedro teria que continuar a sua missão, pois o mestre já havia lhe perdoado. Os erros cometidos por um servo de Deus não significa que ele esteja excluído do amor divino, principalmente quando ele se arrepende e revê os seus conceitos.

                Amados, os nossos fracassos não são visto por Deus como vê o homem, na visão de muitos, Pedro não merecia outra oportunidade por ter negado o seu mestre, mas a misericórdia de Deus estava em ação e Jesus jamais permitiria que o diabo cirandasse com Pedro definitivamente. Quantas vezes o inimigo gostaria de destruir as nossas vidas, família e ministério, mas Deus intervém e não permite, essa é a grande prova do amor de Deus em nossas vidas. Muitos líderes destroem a vida de um obreiro e de um membro da igreja quando comete um delito como se tal líder não esteja sujeito a cometer aos mesmos ou piores erros, mas quando analisamos (Gl 6:1-5) podemos ver que deve ser com disse Paulo em sua carta. Jesus restaurou Pedro e lhe deu uma nova missão apascentar ovelhas, o Senhor é o mesmo. Amados ninguém se julgue perfeito, quem estiver em pé cuide para que não caia. (I Co 10:12).

Pr. Elis Clementino – prelisclementino@hotmail.com

Se desejar é só pedir por este E-mail

 

Foto