ESBOÇO 676
TEMA: CONTRAVERSÃO DOS VALORES MORAIS
TEXTO: Ai dos que chamam ao mal, bem e ao bem, mal, que fazem das trevas, luz e da luz, trevas, do amargo, doce do doce, amargo! Isaias 5:20

            Vivemos um mundo moderno com crescente inversão de valores, embora se saiba que a contraversão sempre existiu, mas, recentemente ela tem se propagado e alcançado pessoas de todas as idades nas camadas sociais, parte disso deve-se aos meios de comunicações sociais “mídia”, pois elas têm grande capacidade e velocidade de influenciar multidões, levando o que é bom e o que é má, com isso as pessoas são estimuladas tanto para o bem quanto para o mal. Podemos citar alguns exemplos que contribuem para o bem como: conhecimento na área da tecnologia fazendo com que as pessoas sejam mais esclarecidas, em contrapartida tem a promoção da violência, a desvalorização da família, da vida, a degradação moral, embora que para muitos nada signifique, como se tudo estivesse dentro da normalidade.

A ética e a inversão de valores
(1) A palavra ética é originada do grego significando “aquilo que pertence ao caráter” e está relacionada com os valores humanos, a ética na filosofia estuda os assuntos morais, modo de ser e agir dos indivíduos, como também seus comportamentos e caráter. A ética na filosofia busca descobrir porque cada indivíduo age de modo dessemelhante, e este diferenciar demonstra o que significa o bem e o mal, e o mal e o bem. A ética distinguir-se da moral, uma vez que a moral está relacionada a regras, normas e costumes de cada cultura, e a ética é o modo de agir das pessoas.

(2) A inversão de valores constrange a sociedade, forçando-a aderir a qualquer custo todo tipo de coisas comprometedoras e imorais que contrariam até a natureza, no entanto, a vida moral para alguns não tem mais sentido, a degradação do ser humano é tida como normal onde o errado é certo e o certo é errado, assim as crescentes abominações destroem, corrompem e escravizam vidas.

(3) O sentimento humano está cada vez mais fragilizado, de maneira que a dor das outras pessoas parece não doer, ou seja, não sentimos mais a dor do próximo mesmo quando perde a vida, isso se tornou comum, pois a mídia apresenta a todo o momento. Alguns programas só dão ibope se apresentar carnificina e vidas ceifadas, “Não porei coisa má diante dos meus olhos...” (Sl 101:3). Por outro lado, a mídia também explora a sensualidade se utilizando de imagens com mulheres desnudadas como o meio de atrair as pessoas, daqui a pouco até nos pacotes de bolachas e nas balas das crianças terão que ter uma mulher desnudada para poder atraí-las, podemos afirmar que não existem apenas falta de criatividade, como também, um forte apelo sexual no setor de marketing, e por isso a sexualidade é explorada sem nenhum limite (2 Tm 3:1-9), o pior é o que o estado tenta passar para as escolas cartilhas que estimulam cedo as criancinhas a prática sexual e a perversão.

A deformação do caráter começa cedo
(1) Quando uma criança chega à adolescência ele já viu e assistiu muitos crimes violentos na televisão, nas ruas e etc. Atualmente é o que presenciamos, afora os games violentos que vai deformando o caráter de muitas crianças e adolescentes, isso imediatamente vai sendo transferido para as escolas, pois eles já receberam estímulos de agressividade.

(2) Muitos adolescentes já se encontram envolvidos na marginalidade, alguns deles ainda atuando de maneira velada, igualmente, outros estão sendo trabalhados por marginais para começarem a atuar de maneira mais envolvida, esses motivos vêm angustiando pais e professores, todos trabalham na mesma direção para saberem o que fazer, ou ao menos diminuir esse tão grave problema, porquanto é exatamente isso que tem preocupado a sociedade do mundo inteiro.

(3) Estamos muito longe da solução, pois, existe uma série de fatores que contribuem para isso, porém, tentar reverter esse quadro só em longo prazo, e quem sabe em décadas com educação de qualidade, distribuição de renda mais justa, saúde acessível e investimento em marketing que ressaltem a valorização da vida e família. Há uma expressão bem conhecida ultimamente que a vida não está valendo um botão de camisa. “A vida me ensinou que a melhor parte é aquela que você aprende a se valorizar.” “Não menospreze o dever que a consciência te impõe, valorize a vida!". A Bíblia ressalta a valorização do ser humano e não a sua degradação, assim também é a valorização à vida “Não matarás” (Ex 20:13).

Ensinando o amor a Deus, a vida e ao próximo
Há princípios que não podem ser desprezados, e a respeito desses as escrituras nos ensinam, porém infelizmente a sociedade vem desprezando tais princípios em nome de uma liberdade que se tornou libertinagem. Uma sociedade sem regras de conduta, normas e discernimento do que é certo e errado, ultrapassará sempre todos os limites impostos aos que querem fazer o certo, para que o errado prevaleça, a exemplo disso temos: a aceitação como normal o aborto e o homossexualismo. Quando amamos a Deus e obedecemos aos princípios estabelecidos por Ele, aprendemos a dar valor a tudo que é bom e proveitoso concernente à vida.

            Precisamos entender que os bons princípios não podem ser deixados para trás, como se não representassem valores. Princípios importantes ensinados pelos pais contribuirão na formação do caráter dos filhos. Tudo começa dentro de casa na família, não devemos passar para os filhos coisas negativas que nada lhes acrescentem na formação do seu caráter. Ensinemos aos nossos filhos e netos o que é bom e proveitoso, sobretudo a palavra de Deus (Pv 22:6) para que tenhamos uma família e sociedade justa e possamos dizer como proferiu Josué “Mas, eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (Js 24:15).

Pr. Elis Clementino – Paulista – PE



O PREÇO DA RENOVAÇÃO

ESBOÇO 675
TEMA: A RENOVAÇÃO DA ÁGUIA
TEXTO: ISAIAS 40:31

                A águia é uma das maiores aves, ela se destaca das demais pela sua grandeza e visão, ela é uma das aves que pode viver até aos 70 anos ou mais, há vários tipos de águias, elas se alimentam de aves e outros animais. Nesse comentário discorreremos e tomaremos como exemplo estilo de vida da águia, e compararmos com a vida espiritual.

Águia e o seu estilo de vida
É muito natural tomarmos como exemplo algo que nos inspire a buscarmos algo maior e melhor, principalmente concernente a nossa vida espiritual, pois ela deve estar em constante crescimento e renovação. A águia é o exemplo que usarei para expressar algo que está em minha mente esperando que lhe ocasione algo que necessite para continuar a jornada da fé. Esta espécie de ave pode viver até setenta anos como dissemos anteriormente, ela é o símbolo de força, perspicaz e visão, isso se constitui a sua grandeza e majestade, ela pode medir aproximadamente dois metros e meio de uma extremidade a outra das assas, seu peso pode chegar entre seis a sete quilos. Dificilmente essa ave perde o seu vôo em direção a sua presa, ela vive nos penhascos, lugares altos e rochosos, e de lá ela tem visão panorâmica de tudo em volta de si, ela enxerga a sua presa por minúscula que seja devido a sua visão perfeita e aguçada.

O seu envelhecimento e renovação
Tudo nessa vida envelhece e necessita de renovação devido a sua deterioração, isso acontece com tudo que existe na natureza, mas essa mesma natureza se encarrega de se renovar, isso acontecerá normalmente. A águia com certa idade ela envelhece, aproximadamente aos quarenta anos de idade, as penas envelhecem, o bico se curva, as unhas crescem impossibilitando-a de apresentar a sua exuberância, ela fica triste, abatida e magra pelo seu estado de envelhecimento, no entanto ela tem a oportunidade de se renovar, mas para isso basta uma atitude diante de duas escolhas. Muitas vezes precisamos tomar certas atitudes, e às vezes dolorosas para alcançar nossos objetivos, a atitude tomada pela águia tem um alto custo, mas para ela só resta essas duas escolhas, ou envelhecer e morrer ou enfrentar os sofrimentos para ser renovada. Existem decisões dolorosas que devem ser tomadas para alcançar algo que se deseja. O processo de renovação da águia é muito doloroso, ela se aloja nos penhascos e bate com as unhas e o seu bico curvado na rocha até que caiam e apareçam bico e unhas novas, as penas velhas caem dando lugar as outras novas para voltar a sua atividade habitual, imaginemos os sofrimentos e a dor que causa essa renovação, após esse período ela pode viver mais trinta anos e dar orgulhosamente seus vôos rasantes nos céus azuis e límpidos para demonstrar a sua grandeza.

Todos nós sonhamos e voamos alto nos nossos sonhos parece não haver obstáculos, somos como a águia na sua juventude, como um jovem na sua força que não se dá conta do envelhecimento, certo momento o desgaste bate em nossa porta, pois é nesse momento que nos damos conta que alguma decisão deve ser tomada. A águia tinha duas opções, mas apenas uma deveria tomar; a de morrer pelo envelhecimento ou ir para o abrigo nas rochas em altas montanhas e sofrer o processo doloroso de renovação. No sentido espiritual precisamos sempre buscar renovo, pois quando estamos percebendo o envelhecimento espiritual devemos tomar atitudes para que aconteça esse renovo, embora seja doloroso, pois esse método envolve renúncia, sacrifícios, solidão, jejuns e orações para chegar-se aos ângulos do altar divino e assim termos a renovação, Deus a fonte de renovação.

Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos fins da terra, nem se cansa nem se fatiga? É inescrutável o seu entendimento. Dá força ao cansado, e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor. Os jovens se cansarão e se fatigarão, e os moços certamente cairão; Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão. (Is 40:28-30). Se estiveres cansado e sem nenhum vigor, Deus é a tua fonte de renovação.

Pr. Elis Clementino-Paulista-PE

AD Excelência-PE

DIZENDO O QUE DEUS NÃO DISSE, E DESFAZENDO O QUE DEUS DISSE.

ESBOÇO 674
TEMA: DIZENDO O QUE DEUS NÃO DISSE, E DESFAZENDO O QUE DEUS DISSE.
TEXTOS: 2 SAMUEL 7:3,4; 2 REIS 20:4-6

            Existem situações que são extremamente delicadas, portanto não devemos nos precipitar e tão pouco nos omitir de falar certas coisas. Nas escrituras existem exemplos tanto de um como do outro, pois sempre houve pessoas que se precipitaram no falar, inclusive homens de Deus e profetas que falharam em determinados momentos. O nosso grau de espiritualidade não nos dá a garantia de que nunca falhamos, as nossas falhas acontecem devido as nossas imperfeições. Muitas vezes queremos ir além com as nossas palavras, ou seja, falar muito mais do que devia falar, principalmente quando se trata de pessoas escolhidas por Deus para transmitir as suas mensagens, portanto é nessa hora que deixamos de fazer a vontade de Deus para agradar alguém, as vezes em troca de favores. Existem causas que podem induzir o indivíduo a agir dessa maneira.

O orgulho
Às vezes o líder espiritual se ufana e ultrapassa dos limites divinos, até ariscam fazer algo para impressionar pessoas, engrandecer o seu nome e entrar para a história para ser lembrado nas gerações futuras, embora isso não signifique que tais atitudes Deus aprovem, ele pode até realizar, mas não que sem a autorização divina, embora Deus seja absoluto e pode aprovar ou revogar aquilo que ele estabelece. O nome do Senhor fora usado indevidamente até por profetas, talvez a empolgação humana os levassem a essa prática falar o que Deus não mandou (Jr 23:31,32).

Os desejos
O desejo de Davi era construir uma casa para Deus (2 Sm 7:2), e falando isso a Natã o profeta o seu consultor espiritual, porém ele precipitadamente respondeu dizendo: “Vai, e faze tudo quanto está no teu coração; porque o Senhor é contigo.” (2 Sm 7:3). Deus não tem compromisso com tudo àquilo que falamos e nem com as nossas ações precipitadas, em algumas ocasiões o indivíduo se empolga e fala algo que Deus não autorizou, a empolgação é um perigo, ela pode fugir da sua razão agindo impensadamente. Há quem diga que Deus aprova todas as nossas palavras, simplesmente por sermos servos dele, isso é uma inverdade, e daí vem à reprovação divina.

Desfazendo o que Deus não mandou dizer
O profeta tinha o compromisso e a responsabilidade em falar a verdade em nome do Senhor, falar o que Deus não mandou constitui-se um perigo, naquela mesma noite em que Natã havia aprovado o propósito de Davi, veio à palavra do Senhor ao profeta dizendo-lhe: Pergunte a Davi se eu o mandei construir uma casa para mim? (2 Sm 7:4,5). As verdades de Deus prevalecem em quaisquer circunstancias e não adianta manobra humana, isso não ajuda em nada só atrapalha. Natã teve que desfazer o que havia dito a Davi “faze e o Senhor é contigo”, essa palavra pesou para ele e teve que desfazer o que havia dito a Davi. Existem pessoas que usam o nome do Senhor sem estar autorizado por ele (Jr 23:30-32).

Desfazendo o que Deus mandou dizer
Fato interessante aconteceu com o rei Ezequias quando estava doente com uma chaga mortal, veio uma ordem expressa de Deus através do profeta Isaias “Poe em ordem a tua casa, porque morrerás, e não viverás.” (2 Rs 20:1), ouvindo Ezequias aquelas palavras virou para o canto da parede e orou ao Senhor e chorou muitíssimo (2 Rs 20:2,3), ouvindo Deus a oração dele indo Isaias saindo do pátio do palácio disse o Senhor a ele: Volta e dize a Ezequias capitão do meu povo que ouvi a sua oração e acrescentarei mais quinze anos de vida (2 Rs 20:6-8).

Devemos ter muito cuidado quando entregar uma mensagem da parte de Deus, ele não tem a obrigação de realizar o que agente fala, somente há um registro de um reconhecimento de um homem de Deus “Samuel” que testemunharam dele dizendo: “...Eis que há nesta cidade um homem de Deus, e homem honrado é; tudo quanto diz, sucede assim infalivelmente;...” (I Sm 9:6). A seriedade de um homem de Deus faz com que as suas palavras sejam valorizadas (I Sm 9:6). A integridade e a seriedade de um homem não são medidas pela impressão que ela causa a sociedade, mas pela história de vida. (Jó 1:1). Nem todos os nossos desejos serão cumpridos se não estiverem dentro dos planos de Deus, o anseio de Davi era construir uma casa para Deus, porém algumas das suas atitudes impediram que o seu desejo fosse cumprido. Necessitamos ter muito cuidado para não usarmos a frase “assim diz o Senhor” quem assim fala assume uma grande responsabilidade diante de Deus. Cuidado!

Pr. Elis Clementino – Paulista –PE


AS ARMADURAS DA FÉ

ESBOÇO 673
TEMA: AS ARMADURAS DA FÉ
TEXTO: EFESIOS 6:10-16

            É necessário estar preparado para enfrentar no cotidiano as mais duras batalhas, mas para isso faz-se necessário se utilizar métodos que facilitem essa vitória, entretanto a inteligência e a confiança precisam estar em ação, sobretudo a fé em Deus. Existem combates que a astúcia humana não determina, pois é preciso de algo mais, porém para essas batalhas as armas confeccionadas e usadas nelas não garantem a vitória. As armas para as pelejas espirituais não são vistas através dos olhos naturais, mas existem e protegem contra os nossos inimigos, inclusive os espirituais.

1. A capacidade física e espiritual
1.1. Física
A nossa habilidade física não nos livra dos ataques dos nossos inimigos espirituais, para essa peleja os arcos, as flechas, lanças e escudos resolverá, assim você de deprime e se angustia, mas as armas dessa milícia não são carnais “porque que as armas da nossa milícia não são carnais, mas feitas em Deus poderoso para destruir toda a fortaleza do inimigo.” (2 Co 10:3,4). Existem pessoas que acreditam na sua destreza e capacidade física para lutar, mas não é isso que diz Davi “Uns confiam em carros e outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do Senhor. Uns encurvam-se e caem, mas nós nos levantamos e estamos em pé (Sl 20:7,8). É preciso saber que a nossa habilidade não nos livra do fracasso, principalmente quando se trata de uma batalha espiritual “A habilidade não nos livra do fracasso”. As armas de Saul não serviam para ser utilizada por Davi, pois a sua batalha seria mais espiritual do que física (I Sm 17:38-40);

Situações diferenciadas:
(a) O corpo pode ser forte e não ter habilidade para usar as armas;
(b) O indivíduo pode ter destreza para usar as armas, porém corpo pode estar enfraquecido, Davi não pode usar as armas oferecidas por Saul; 
(c) Corpo pode estar saudável e ter boa habilidade, mas pode não garantir a vitória.

1.2. Espiritual
No sentido espiritual pode acontecer o seguinte:
(a) O corpo pode ser forte, porém a capacidade espiritual fraca;
(b) O corpo pode estar fraco, mas a capacidade espiritual forte (Mt 26:41);
(c) O corpo pode ser forte e a capacidade espiritual também.

2. Pouca força, grandes resultados
O agir de Deus independe tanto da força física quanto a espiritual, o seu querer será realizado dentro da sua vontade, em quaisquer que sejam as circunstancias. Gideão, tinha um contingente de soldados de 32 mil, porém na visão divina era incapaz de vencer aquela batalha contra os midianitas, mas apenas com 300 homens ele venceu (Jz 7:1-8); Davi incapaz de vencer um gigante desafiador “Golias”, mas a vitória seria mais divina do que dele (1 Sm 16; Jeosafá com poucos homens, diante de um grande exército, ele foi capacitado por Deus para vencer (II Cr 20); Elizeu incapaz de enfrentar um grande exército, no entanto teve vitória (II Rs 6:15, 17,18); Senaqueribe rei da Assíria invade Judá e Deus destrói o seu exército (2 Cr 32:1-23). As armas da nossa milícia não são carnais (2 Co 10:3,4).

            Devemos pedir forças a Deus para que no dia da angústia estejamos fortes, não devemos demonstrar fraquezas nas adversidades (Pv 24:10), mas estarmos confiantes e decididos tal como expressa o Apóstolo Paulo (Fp 4:13). A nossa vitória é certa quando confiamos em Deus e na sua palavra, ela é um escudo para o que nela confia (2 Sm 22:31; Pv 30:5). Talvéz você se sinta impossibilitado de vencer as batalhas que estão diante de você, mas se você usar as armas descritas por Paulo em sua carta aos (Ef 6:1-10).

Pr. Elis Clementino-Paulista-PE

AD Excelência

QUANTRO COISAS RESPEITÁVEIS

ESBOÇO 672
TEMA: QUANTRO COISAS RESPEITÁVEIS
TEXTO: Estejam vigilantes, mantenham-se firmes na fé, sejam homens de coragem, sejam fortes (I Coríntios 16:13).

                Existem atitudes que não devem ser desprezadas e quem as tem certamente provará de uma vida vitoriosa diante dos combates. Para ser um guerreiro são necessários esses requisitos; vigilância, confiança, ser aguerrido e forte. Na Bíblia Sagrada há muitos exemplos de homens que foram vitoriosos por observarem esses valores, os cristãos necessariamente precisam ser preparados para enfrentar qualquer circunstancia durante a sua vida.

A vigilância
Ser vigilante, manter-se esperto em todos os sentidos da vida é indispensável, significa estar acordado e não facilitar aos inimigos a oportunidade de subtrair algo importante que tenhas principalmente o que há de mais precioso em relação ao espiritual (I Pe 5:8; Ap 3:11). Aqueles que militam não se embaraçam com os negócios dessa vida a fim de agradar aquele que o alistou para a guerra (2 Tm 2:4), sejamos vigilantes, pois o descuido não faz parte de quem vigia (Mt 12:35-39), o descuido pode deixar você fora de grandes oportunidades.

Ser firme na fé
A fé é uma das armas poderosas para encarar os desafios, ela é a certeza de alcançar algo que está em nossa mente (Hb 11:1), ela é a força motora e o combustível que nos mantém persistente na luta. Jesus para realizar milagres sobre os necessitados exigia-lhes fé, expressões como: Se podes crer (Mc 19:23); creia tão somente (Lc 8:50); a tua fé te salvou (Lc 17:19), essas palavras de Jesus demonstrava a necessidade do individuo fazer a sua parte, pois todo aquele que tem fé não será confundido (Fp 1:29).

Ser corajoso
A coragem é necessária para encarar os problemas do cotidiano, fugir deles é adiá-los, cada obstáculo que você elimina é mais um superado, ajuntar problemas sem enfrentá-los é como se ajunta doença no corpo sem ir ao médico, acumulo de dívidas, também é como um veículo que começa aparecer defeitos e não concerta é dessa maneira que a situação só se agrava ficando cada vez mais difíceis de resolver. A coragem é a motivação, a qual empurra o indivíduo a procurar meios para solucionar seus problemas antes que se agravem.

A determinação
A decisão deve ser tomada diante dos problemas, encará-los ou fugir deles, você pode ter muita coragem, mas se não determinar nada adianta, ou seja, se não agir coisa nada será feito. Gideão estava com medo e certamente indeciso, mas o Senhor o encorajou Gideão dizendo: “Seja forte e corajoso”, mas ele teria que fazer a sua parte e determinar o enfrentamento com os inimigos “os midianitas” impressionante é que Deus deu a forma como ele venceria (Jz 6).

O rei Jeosafá também estava sendo ameaçado por grandes exércitos, a seu ver ele não teria condições para vencê-los, como todos os homens devem fazer é tomar uma decisão diante das grandes dificuldades ou enfrentá-la ou não. Necessariamente devemos ver que tipos de estratégias irão ser usados, o medo e o sentimento de impotência tomaram conta de Jeosafá ele não via outra saída a não ser buscar o socorro divino (2 Cr 20:3). Assim como Deus orientou a Gideão também fez com Jeosafá, orientando-os para a batalha contra os seus inimigos.

                Aprendemos a lutar com as circunstâncias, elas nos faz buscar saídas para resolvermos os nossos problemas, mas a primeira coisa que devemos fazer é consultar e orar a Deus pedindo-lhe a direção e a maneira como iremos lidar com as adversidades. O Senhor quer nos dá vitórias em todas as batalhas, entretanto devemos nos humilhar e reconhecer que sem ele nada somos, e com essa maneira de pensar demonstramos senso e equilíbrio para usufruir os meios que o Senhor nos mostre como saída. Assim como ele deu vitória a Gideão e a Jeosafá que seguiram as suas orientações nos dará também, mas basta buscar o seu auxilio orando e jejuando coisa que muitos não querem fazer atualmente, querem enfrentar de maneira grosseira causando estrago e até escândalos para a igreja do Senhor. Tenhamos cuidados irmão busquemos a direção de Deus.

Pr. Elis Clementino       
AD Excelência-Paulista-PE


Foto