ESBOÇO 983 A LIBERALIDADE EM PERDOAR


ESBOÇO 983
TEMA: A LIBERALIDADE EM PERDOAR    
 TEXTO: “Não se ponha o sol sobre a vossa ira.” EFÉSIOS 4:26

                Perdoar é uma das ações mais difíceis do indivíduo por em prática, principalmente a alguém que de alguma maneira tenha magoado seus sentimentos e gerado alguma raiz de amargura no seu coração. Geralmente as pessoas excessivamente sentimentais sentem dificuldade em liberar o perdão, por causa disso sofrem angústia na alma e indisposição, embora o mesmo não aconteça com outras pessoas, porque elas não guardam mágoas e facilmente perdoam, agindo elas assim terão menos possibilidade de adoecerem, porque ligeiramente se desfaz do seu coração aquele sentimento deixado pela mágoa, o ódio ou rancor. Portanto três coisas são importantes; aprender o valor do ato de perdoar, e não revidar, ou seja, atirar pedras sobre pedras e liberar perdão.

A generosidade é um dos princípios fundamentais que leva o indivíduo a se doar e sofre em função dos outros, mas isso não é fácil porque exige sacrifício por parte do indivíduo, ele terá que abrir mão de algo que ele está muito apegado, o seu Eu. Por essa razão existem pessoas que tem dificuldade de liberar algo de si para outros, principalmente quando se trata do perdão, essas pessoas precisam ser ensinadas e trabalhadas para que o ato de perdoar torne-se comum no seu cotidiano. Algumas vezes o indivíduo sofre e se desgasta por ser generosos para com as outras pessoas. O apóstolo Paulo vivenciou isso e praticou “embora seja menos amado, mas me gastarei e me deixarei gastar por vocês” (2 Co 12:15), amar sem ser amado inclui a generosidade e a capacidade de perdoar.

A intuição humana é revidar ou atirar de volta em maiores proporções às pedras que lhes são arremessadas, mas é preciso lembrar que Jesus ensinou a agir de maneira diferente para com aqueles que muitas vezes nos machucam e até nos fazem chorar “amai aos vossos inimigos” (Mt 5:43-48), perdoai-lhes, não importar qual seja, e nem o tamanho das feridas causadas pelas pedras. “Quando o ultrajavam, não revidar com ultraje; quando maltratados, não fazia ameaças, mas entregava-se a aquele que julga retamente.” (I Pe 2:23). Nenhum sentimento de gloria haja no teu coração quando o teu inimigo vir a cair (Pv 24:17). Os masoquistas sentem prazer em ver aqueles que lhe magoaram sofrerem, mas esse não é um sentimento cristão, e sim diabólico, porque é um sentimento de vingança.

O ato de perdoar é um mandamento divino, muitas vezes sentimos dificuldade em remover uma pedra que fora arremessada por alguém que tanto fizemos por ela, mas nada justifica não perdoar. Jesus foi interrogado pelos seus discípulos sobre quantas vezes eles deviam perdoar, porém já foram limitados a um dos princípios bem conhecido entre eles “até sete vezes?”, todavia Jesus respondeu: Não somente sete, mas setenta vezes sete (Mt 18:21-22).

É impossível promover paz sem perdão “Se possível tendes paz com todos.” (Rm 12:18), mas para isso tanto o ofensor quanto o ofendido deve abrir mão da sua personalidade forte, do seu Eu, e se perdoarem. Quando perdoamos alguém reconstruímos ponte sobre o abismo que nos separavam, geralmente o ofendido é mais difícil de ser conquistado, porém, não é impossível, “É mais fácil conquistar uma cidade forte do que um irmão ofendido” (Pv 18:19). Se ofendesse teu irmão vai a ele e reconcilia-te com ele enquanto vocês estão no caminho. Jesus falou sobre duas coisas importantes o PERDÃO e a DISCIPLINA (Mt 5:23-26; 18:15-16).

                Devemos pedir a Deus sabedoria para entrar e sair, aqui fala de convivência no relacionamento, isso foi o que Salomão pediu a Deus em sua oração (2 Cr 1:10). O bom senso é capaz de reverter ou reconquistar amizades rompidas, somente o bom senso pode conduzir o indivíduo a reconhecer seus próprios erros e facilitar o pedido de perdão, com o perdão os incômodos da pessoa ofendida desaparecem. Não devemos atirar pedras sobre pedras, dessa maneira aumentamos o número de inimigos, porque as pedras que remetemos sobre alguém que nos incomoda podem atingir outras pessoas que não tenha nada a ver, as pedras arremessadas são como balas perdidas que acertam pessoas inocentes. Libere perdão não importa quantas vezes, simplesmente perdoe! Perdoe! E perdoe. “...Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós” (Cl 3:13). A ninguém devais, a não ser o amor” (Rm 13:8).

Pr. Elis Clementino

ESBOÇO 982 AS INCERTEZAS SOBRE O FUTURO


ESBOÇO 982
TEMA: AS INCERTEZAS SOBRE O FUTURO
TEXTO: Não te vanglorie pelo dia de amanhã, pois não sabes o que produzirá o dia. PROVÉRBIOS 27:1; TIAGO 4:14.

Existem coisas que temos conhecimento, outras não, são aquelas relacionadas ao futuro, sempre se diz que o futuro pertence a Deus, somente ele sabe o nosso amanhã, por isso mesmo ele faculta oportunidades a todos debaixo do sol que aproveitem bem essas oportunidades. (Ec 3:22; 6:27; 8:7). Vamos considerar algumas questões a respeito do nosso futuro.

Acontecimentos imprevisíveis
Os homens não sabem a sua hora, pois é como os peixes que se pescam com a rede cruel, e como os passarinhos que se prendem com laços, assim se enláção também os filhos dos homens no mau tempo, quando de repente sobre eles (Ec 9:12), pois bem, muitas vezes somos tomados de surpresa por algo que não gostaríamos de passar, mas é o preço que pagamos por viver debaixo do sol.

Futuro oculto
Ninguém sabe o que será, e quem lhe fará saber o que acontecerá depois dele (Ec 10:14; 11:2), Deus nos limitou e ocultou dos nossos olhos e o entendimento para saber o que acontecerá depois que sairmos daqui. Todos sem exceção vivem dentro desses limites estabelecidos por Deus, e não tem como reverter isso, se nós soubéssemos certamente estaríamos prevenidos e evitaríamos as grandes frustrações. Jesus fez uma grande ilustração dizendo: “Mas considerai isto: Se um pai de família soubesse a que hora viria o ladrão, vigiaria e não deixaria que a sua casa fosse roubada (Mt 24:43), embora ele estava aplicando sobre a sua segunda vinda, porém é um belo exemplo que podemos aplicar nesse assunto, pois não conhecemos o dia de amanhã.

Nada sabemos o que nos acontecerá amanhã, o Apóstolo Paulo na sua missão sabia que foi impulsionado pelo Espírito a ir para Jerusalém, mas não sabia o que lhe espera e nem o que lhe haveria de acontecer (At 20:22). Deus estava no controle da sua vida, e para ele pouco importava o que lhe viesse acontecer, mas que executaria a vontade de Deus.  “Ora, não sabeis o que acontecerá amanhã. O que é a vossa vida? É um vapor que desaparece por um pouco, e logo se desvanece” (Tg 4:14). As coisas secretas pertencem a Deus, as reveladas são para nós e os nossos filhos (Dt 29:29).

Na vida passamos por muitas dificuldades, mas se não tivermos a confiança em Deus certamente o questionaríamos muito mais sobre o nosso amanhã. Os discípulos de Jesus lhe questionaram a respeito do que eles comeriam e vestiriam no futuro, porém Jesus mostrou a eles que as coisas não funcionariam do jeito deles, eles estavam sendo cuidados (Mt 6:25-34), uma bela lição que aprendemos dele e devemos por em prática, confiando que de Deus virá a nossa saída. Fiquemos certos que Deus cuidará de nós.

Pr. Elis Clementino


ESBOÇO 981 VISÃO ESPIRITUAL.


ESBOÇO 981
TEMA: VISÃO ESPIRITUAL.
TEXTO: “...não atentando nós as coisas que se vêem , mas nas que não se vêem ; porque as que se vêem são temporais, e as que não se vêem são eternas” (2 Co 4:18).

Os nossos olhos são a luz do nosso corpo, eles nos guiam em todos os trajetos que fazem os nossos pés, os olhos são fontes de luz que refletem todo aquilo que está diante de nós, sem eles certamente teríamos dificuldades e passaríamos a depender das outras pessoas. Os olhos são órgãos fundamentais devido a sua importância no nosso corpo, os homens e animais se dispõem dessa luz. Devemos levar em consideração que dispomos de dois tipos de visões, são elas, a natural e a espiritual, e sem muitos pormenores falarei delas nesse mote.

A visão dos olhos naturais
Os olhos naturais são a nossa autodefesa, por ela aprecia-se as coisas ruins e boas da vida, nos dando a oportunidade de nos desviarmos das coisas aparentemente ruins. Os olhos nos fascinam, pois é um verdadeiro encanto ver a luz do sol e tudo o que está em volta de nós. Jesus disse que os olhos são a candeia do corpo (Mt 6:22,23). Se os olhos não estiverem bons todo o corpo será arruinado, por isso eles são importantes.

A visão espiritual, os olhos da fé.
Essa visão é sobrenatural e nem todos têm, ela consegue enxergar o que os olhos naturais não conseguem (2 Co 4:18). A visão espiritual é de longo alcance, ela está vinculada a fé que a considero um telescópio de longo alcance (Hb 11:1), a exemplo dos faróis altos dos nossos veículos, pelos olhos da fé enxergamos o que muitos, por não terem não conseguem.

Necessariamente não é preciso ter uma visão natural saudável para ter a visão espiritual perfeita, através desta visão o crente consegue identificar algo não revelado em sua volta, temos um exemplo típico, Aias, esse profeta devido à idade estava cego, mas através da sua visão espiritual conheceu o desface da mulher de Jeroboão (1 Rs 14:6). A visão espiritual consegue ver o verdadeiro caminho por onde trilhamos em direção a Deus, a pior cegueira é a espiritual, pois bem, vivemos em uma humanidade cega que não enxerga os perigos que estão em sua frente, essa cegueira atribuí-se ao deus desse século que conforme Paulo é satanás o príncipe das trevas, para que não enxergue a verdadeira a luz (2 Co 4:4), assim facilmente o povo tropeça como os que andam a noite (Jo 11:10).

A visão espiritual nos conduz ao maior alvo.
Os crentes em Deus enxergam os que muitas pessoas não conseguem, ela é ampla e é vista através do telescópio da fé. Focar no alvo a exemplo de um atleta na competição (1 Co 9:24), não podemos desviar o nosso foco nas grandezas de Deus, a nossa fé tem a capacidade de remover montanhas (Mt 17:20). Tudo em volta de você pode está dando errado, mas a sua fé diz que vai terminar tudo certo, essa é a nossa confiança em Deus.

A visão espiritual é adquirida através da oração e da comunhão com Deus, ele revela as coisas grandes e firmes que não sabemos (Jr 33:3). Os profetas tiveram visões espirituais bastante aguçadas pelo seu estreito relacionamento com Deus, basta apenas ler um pouco sobre a vida de Elias e Eliseu, Daniel entre outros, homens cheios de fé e de visões espirituais. Através da sua fé muitos milagres foram realizados. Atualmente a nossa fé vem pelo ouvir a palavra de Deus (Rm 10:17), nas nossas orações devemos pedir a Deus que abra os nossos olhos espirituais para enxergar as coisas ocultas em volta de nós, bem como a sua grandeza sobre as nossas vidas.

Pr. Elis Clementino

ESBOÇO 980 CONHECENDO A ARVORE PELO FRUTOS


ESBOÇO 980
TEMA: CONHECENDO A ARVORE PELOS FRUTOS.
TEXTO: MATEUS 7:16; LC  6:44

Existem várias maneiras de identificar algo se real ou não, sejam concernentes aos minerais, vegetais, animais e seres humanos. Tudo o que existe tem as suas características próprias que permitem se identificadas por elas se são boas ou más, no entanto entre todas elas a mais difícil de entender é o ser humano. É sobre ele que irei falar sobre os seus frutos em um breve comentário.

O que há no coração
É possível o ser humano esconder algo que está no seu coração, ninguém sabe o que há dentro dele a não ser o próprio; “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?” (Jr 17:9). Vejam o quanto é interessante o que Jesus falou “Não entendeis ainda que tudo o que entra pela boca desce para o estômago, e mais tarde é lançado no esgoto? Entretanto, as coisas que saem da boca vêm do coração e são essas que tornam uma pessoa impura. Porque do coração é que procedem os maus intentos, homicídios, adultérios, imoralidades, roubos, falsos testemunhos, calúnias blasfêmias...” (Mt 15:17-19). O nosso modo de vida depende do coração, pois dele há as saídas da vida (Pv 4:23), o seu coração determina a vida. Acho esse provérbio muito importante, portanto ao homem cabe controlar seus sentimentos e as suas vontades, pois o pecado começa no seu coração, ele reflete no seu caráter, na sua maneira de falar, você pode até fingir, ou esconder seus pensamentos, mas em determinada ocasião tudo será revelado.

O tempo revela
O tempo também faz a sua parte expondo o que há no coração em determinadas ocasiões, de maneira que se conheça o que realmente havia dentro dele. Uma árvore só se saberá se ela é boa ou má quando começar a produzir frutos (Lc 6:44). Muitas vezes nos deparamos com belas e frondosas árvores, mas nada podemos dizer a seu respeito sem que primeiro prove dos seus frutos na sua própria estação. Há um dito popular que diz: dá tempo ao tempo que ele mostrará o precisamos saber.

Deus conhece o coração
O coração de todos é conhecido, nada há encoberto perante Deus. “Eu, o SENHOR, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos; e isso...” (Jr 17:10); Pode alguém esconder-se em esconderijos sem que Eu o observe? (Jr 23:24); “Não há escuridão nem densas trevas onde os que praticam o mal possam tentar se esconder” (Jó 34:22); Para onde poderia eu fugir do teu Espírito? Para onde poderia correr e escapar da tua presença?”(Sl 139:7); “Revela os mistérios profundos e enigmas ocultos; conhece o que jaz nas trevas, e a luz habita nele em todo o seu resplendor” (Dn 2:22). Deus conhece todas as coisas e pode revelar as ocultas do coração do homem.

Tudo será revelado, nada serão escondidos, os frutos aparecerão, eles apresentarão as suas qualidades. Muitas vezes é questão de tempo para que o homem se revele, quando o indivíduo não revela, Deus entra em ação e passa a revelar o que há dentro do coração do tal indivíduo. A quele que conhece a Deus deve saber que o seu coração é um depósito onde devem ser guardadas as coisas boas, pois elas facilitarão a sua vida. “Se procederes bem, não é certo que serás aceito?” (Gn 4:7). Deus espera justiça da nossa parte, dessa maneira estaremos certo que ele nos aceitará. Nós cristãos devemos produzir bons frutos e todos se alimentem dele, não devemos esquecer que somos luz e o sal da terra (Mt 5:13-15). Produzam bons frutos!

Pr. Elis Clementino

ESBOÇO 979 MORRENDO PARA PRODUZIR FRUTOS,


ESBOÇO 979
TEMA: MORRENDO PARA PRODUZIR FRUTOS,
TEXTO: JOÃO 12:24,25.

Jesus fez uma ilustração baseada na natureza para explicar o que ele queria dizer no versículo anterior em (Jo 12:23). Uma semente vive, floresce e produz frutos em abundância quando ela for lançada no solo e morrer, senão ficará ela só. Foi isso o que aconteceu à vida de Jesus (Jo 12:25). Aquele que vive egoisticamente, e assim preserva a sua vida para si mesmo, não pode produzir qualquer beneficio, porquanto é uma semente que jamais foi plantada. Naturalmente Jesus salienta o auto-sacrifício como uma espécie de plantio do próprio “eu”, bem como uma forma de morte do “eu”. Esse é um princípio básico para o cristão que quer ter uma vida verdadeiramente produtiva. Jesus proferiu essas palavras em forma solene, e essa lição deve ser aplicada a nós mesmos.

Objetivo Geral
Produção espiritual, (frutos) o grão do trigo ilustrado por Jesus refere-se ao mistério da vida.
Produção material (o que se produz na vida) refere-se à vida humana.

1. O grão do trigo (Mistério da vida)
1. Destruição (morte)
2. Germinação (vida)
3. Árvore ou planta (existência)
4. Florescência (flores ou preparação para os frutos).
5. Frutificação e multiplicação (frutos)
Toda semente seca e morre, depois germina e em seguida produz frutos. (morrendo para produzir)

2. Qual o sentido da vida?
1. Vivê-la por intermédio de Cristo. (Gl 2:20)
2. Dedicar o amor ao próximo. (Jo 15:12,13)
3. Produzir frutos. (Jo 15:16)
4. Vivê-la com disciplina. ( Hb 12:11)
5. Preservar a sua vida para si mesmo. “auto-preservação é a lei da autodestruição”. (Jo 12:25a)
6. Quem, neste mundo, aborrece a sua vida. (Jo 12:25b). Aborrecer a própria vida, aqui, significa a atitude de valorizar os interesses celestiais e espirituais muito acima dos desta terra.

Os seguidores de Cristo dão pouca importância aos prazeres, filosofias, sucessos, valores, alvos ou métodos do mundo (Fil 1:21; 3:7,8; At 20:24). Os tais obterão a “vida eterna”, pois não existe nada tão precioso neste mundo que eles não deixem por amor ao Senhor. (Mt 16:25)
7. Egoísmo “eu” Visa seus próprios interesses. (Jo 12:25; Mt 19:21,22). Essa semente não foi sepultada no solo (Ela tão somente caiu na terra (Lc 8:6). Não produziu frutos, não morreu porque, ficou só.
8. Vida inútil. (Não pôde ser útil a ninguém, por causa do Ego).

4. Alcançando a vida eterna através dos frutos.
1. Do amar a Deus sobre todas as coisas. (Mt 10:37).
2. Do viver pela fé. (Hb 11:1)
3. Da autonegação. (Negar-se a si mesmo).
4. Do serviço cristão (Hb 6:10)

A vida não consiste apenas em produzir frutos espirituais, mas, produzir frutos materiais, contudo devemos ser sábio e sepultar a semente no solo, para que possamos produzir frutos. Pois “Quem ama sua vida, perdê-la-á; e quem neste mundo odeia a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna.” (Jo 12:25). Quando morremos espiritualmente para o mundo vivemos para Deus e conseqüentemente produzimos muitos frutos. A vida humana não é diferente ela só terá sentido a partir do momento que o homem produzir alguma coisa.

Pr. Elis Clementino.

Foto