O HOMEM FORA DO SEU LUGAR.

 

ESBOÇO 1040

TEMA: O HOMEM FORA DO SEU LUGAR.

TEXTO: Qual ave que vagueia longe do seu ninho, tal é o homem que anda vagueando longe do seu lugar. Provérbios 27:8

Tudo nesse mundo tem o seu lugar certo para estar ou viver, qualquer coisa fora do lugar não é bom, no entanto nada é tão ruim do que o indivíduo fora do seu lugar e sem direção. Às vezes isso possa acontecer na vida de muitas pessoas. É sobre isso e sem muitos pormenores que pretendo falar nesse assunto, principalmente no âmbito espiritual.

Fora do lugar

Esse é uma expressão figurativa “ave fora do ninho”, assim é o homem fora do seu lugar e vagueando, fora do ninho ou perambulando sem paradeiro, isso pode acontecer em todos os sentidos da vida. Ouvimos muito uma frase, o fulano está perdido, se referindo há alguém que está com a mente vaga e sem definição do que realmente ele queira. Jesus usou uma expressão muito apropriada “Então, aproximando-se dele um escriba, disse-lhe: Mestre, seguir-te-ei para onde quer que fores. Jesus lhe respondeu: As raposas têm suas tocas e as aves do céu tem seus ninhos, mas o filho do homem não tem onde repousar a cabeça” (Mt 8:19-20). Não que Jesus estivesse perdido, mas era um sentido figurado, Jesus teria que cumprir a sua missão durante o seu ministério percorrendo a terra e não podia parar, pois a sua morada não era neste mundo.

Estado de vulnerabilidade.

Uma ave fora do lugar está vulnerável a se tornar uma presa fácil para seus predadores, ela está desamparada e desprovida de um norte. No sentido espiritual podem acontecer às mesmas coisas com o ser humano, o maior exemplo é o homem sem Deus, pois não há nada pior do que o homem está desencontrado consigo mesmo, ou seja, sem direção. (Is 16:2; Gn 4:16; Gn 16:6-8; I Sm 22:5; I Rs 19:9; Ne 6:11-13; Jó 39:14-16; Pv 21:16; 26:2; Jn 1:3; 1: 10-17; I Co 7:20; Jd 1:13), exemplos de pessoas que e, algum momento entraram por caminhos da indecisão e fora do seu lugar estando totalmente desprotegida.

As pessoas sem um lugar definido estão vulneráveis sujeitas a sofrerem algum dano pessoal ou material, elas se tornam como um barco sem leme e sem velas soprados pelos ventos e levados pelas ondas. Nada pior do que não ter uma direção ou um destino certo. As embarcações têm as âncoras e bússolas, onde param descem a âncora e de lá não sai e as bussolas farão com que as embarcações não percam a direção.

O homem pode está fora do seu lugar, não somente quando se muda de um lugar para outro, mas em outros sentidos ele pode está sim, vaguear fora do lugar é um sentido figurado sobre a realidade espiritual de um povo ou pessoas. Nos textos citados anteriormente entendemos também que se tratava de uma situação espiritual diante de Deus, embora literalmente em alguns casos pessoas houvessem estado fora da sua terra natal o que é normal na vida de muitas pessoas. Vagar fora do lugar também significa sem direção, ou algo que ele não esteja acostumado a fazer, sem abrigo entre outros.

Amados, devemos ter cuidado para não nos tornarmos presa fácil do nosso arqui-inimigo espiritual, se para preservarmos a vida física precisamos ter cuidado, muito mais a espiritual. Há muitos cristãos que estão vagando fora do ninho, não me refiro há algumas entidades que você faça parte, mas diante de Deus quando ele não obedece as suas leis para a conservação da sua vida espiritual e também a física. Muitos têm abandonado a Deus e vive espiritualmente perambulando sem direção, a nossa bússola é a palavra de Deus. Se você estiver nessa situação tome a apalavra de Deus e abrigue-se rapidamente debaixo das asas do Onipotente Deus para estares seguros.

Pr. Elis Clementino

CONVICÇÃO DA FÉ.

 

ESBOÇO 1039

TEMA: CONVICÇÃO DE FÉ

TEXTO: “... eu sei em quem tenho crido...” 2 TIMÓTEO 1:12

A declaração de fé do cristão é o maior testemunho que ele dá publicamente, pois isso demonstra a sua confiança e estabilidade cristã, portanto o cristão deve ter essa convicção, principalmente na condição de despenseiro de Deus. Há alguns cuidados para que essa convicção sempre esteja em ação como a estrutura espiritual firmada e mantida na palavra de Deus, deixar os embaraços que possa levá-lo a fracassar a fé ou a apostasia.

Estabilidade.

A estabilidade cristã tem como base a palavra de Deus, ela é o que torna o crente estável. Jesus comparou a palavra como a base pela qual a nossa fé está firmada fazendo uma parábola dos dois fundamentos (Mt 7:26,27). Não necessitamos de muitos pormenores para sabem o que acontece com uma cada edificada sobre a areia, mas essa foi, e é uma pura verdade espiritual. A nossa convicção se torna cada vez mais sólida quando mantemos o cuidado em guardar a palavra de Deus, que esse cuidado seja até o fim “Mas desejamos que cada um de vós mostre o mesmo cuidado até ao fim...” (Hb 6:11,12). Ninguém pode lançar mão das suas convicções, a não ser que as entreguem.

Deixar os embaraços

O desapego às coisas que podem atrapalhar a nossa fé é fundamental. O desejo do escritor aos hebreus em (Hb 12:1,2) era que os cristãos deixassem de lado tudo aquilo que estivesse atrapalhando o progresso da fé e da vida cristã, principalmente o pecado. Existem muitos embaraços que podem comprometer a nossa fé, eles nos fazem desviar o foco principal que é a fidelidade a Cristo, mas somos alertados a fazer veredas direitas para os nossos pés (Hb 12:12-15), de maneira os que manquejam sejam sarados. Uma confiança estável não permite que o cristão se torne vulnerável capaz de abandonar o que é considerável. Há um triste exemplo na Bíblia de Esaú que vendeu a sua primogenitura por um prato de gizado, mesmo que arrependido foi tarde demais (Hb 12:16,17).

A fé nasce através da palavra de Deus.

A fé vem pelo ouvir a palavra de Deus (Rm 10:17); A convicção é uma âncora para a fé (Hb 6:19); a palavra é o alimento que torna o crente cada vez mais convicto da sua fé, uma confiança firme se assemelha a uma árvore plantada junto a ribeiro de águas (Jr 17:8); vejam algumas características daqueles que tem a sua confiança inabalável:

A nossa confiança deve ser como uma árvore plantada junto às águas. As suas raízes se estendem para a fonte de água, ou seja, elas vão buscar alimento na água e em outros nutrientes existentes na terra.

A árvore alimentada junto a uma fonte não receia quando vem o calor, mesmo no sol causticante ela está segura; As suas folhas ficam verdes, isso significa árvore bem nutrida, a sua esperança sempre verde; No ano de sequidão não se fadiga, ela tem reservas não se abala; Não deixam de dar frutos, ou seja, eles produzirão sempre.

Amados, devemos manter a convicção da nossa fé em quaisquer que sejam as circunstâncias, assim jamais a negaremos, nada nos fará perder a fé e o amor Cristo (Rm 8:35-39). A estabilidade cristã garante a superação de muitas coisas consideradas como causa do nosso fracasso espiritual, que ultimamente muitos crentes estão tendo a sua fé abalada por falta de estrutura, bases, raízes adquiridas através da palavra de Deus. Muitos cristãos não têm mais o desejo de ouvir a palavra de Deus como ouvia há décadas atrás, atualmente querem ouvir aquilo que eles gostam e massageiam o seu ego, mas isso é perigoso porque ele se torna um crente superficial, ou seja, sem raízes e servindo na sua igreja por conveniência, se os ensinamentos se adequarem a mim eu permanecerei, se não procurarei outra que me seja mais conveniente. Amados firmem a sua fé na palavra de Deus e não em qualquer promessa profética, saiba que a maior profecia é a palavra de Deus (Pv 29:18) 

Pr. Elis Clementino

 

A SÍNDROME DA RIQUEZA.

 

ESBOÇO 1038

TEMA: A SÍNDROME DA RIQUEZA.

TEXTO: Há quem se faça rico, não tendo coisa nenhuma, e quem se faça pobre, tendo grande riqueza. Provérbios 13:7. 

Há muitas particularidades nas pessoas que devem ser observadas e consideradas, entretanto há algumas características que não deviam existir nelas, mas existem motivadas pelas próprias fraquezas humanas. Desejo destacar uma delas que é a ambição, desejo ou a pretensão do ter e a ostentação.

Síndrome da riqueza.

“Segundo a medicina é um conjunto de sinais e sintomas notáveis em várias metodologias patológicas distintas e sem causa especifica. No sentido figurado são características que, em uma associação crítica são passíveis de despertar insegurança e medo”. Pois bem essas coisas podem trazer mudanças no comportamento da pessoa, fazendo-as sentirem sensações diferentes e até tentarem parecer o que não são, mas isso também pode até ocorrer no sentido espiritual,Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu;” (Ap 3:17).

A verdadeira grandeza.

O que enobrece o homem não são os bens que ele possua, mas pelas suas boas qualidades e atitudes. Muitos entendem por grandeza, fama, fortuna e intelectualidade quando na verdade não é. Os discípulos ainda não entendiam do que significava a verdadeira grandeza (Mc 9:33-39; 10:13-16,42-45). Devemos pensar um pouco sobre o ignificado da verdadeira grandeza. “A única coisa que te impede de ser rico é o pensamento pobre.” A verdadeira grandeza não está no ter e sim no ser.

Riqueza não é felicidade.

O homem emprega todas as suas forças para galgar a riqueza, mas deve saber que ela não lhe garante a felicidade, pois há muitos ricos infelizes, essa é a prova que riquezas não trás felicidade e sim uma melhora de vida, como pobre poderás ser mais rico do que um milionário. Quando eu fazia um programa de rádio eu ouvi uma senhora ao telefone e aos prantos dizer-me: eu tenho tudo do bom e do melhor, mas sou uma mulher infeliz. Eu sempre digo que há duas coisas que são caras e não se compra com dinheiro “paz e felicidade”.

Nada trouxemos e nada levaremos.

Aqui somos apenas administradores ou mordomos do que não é nosso, visto que: “Nada trouxemos para este mundo, e manifesto que nada podemos levar dele. Tendo, porém, sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes. Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se transpassaram a sim mesmos com muitas dores. Mas tu ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão” (I Tm 6:7-11).

Amados, a síndrome do ter tem conduzidos muitos a pensar somente em si, muitas vezes por não termos condições financeiras nos consideramos pobres, pois nos enganamos quando pensamos assim, pois há uma frase do Apóstolo Paulo “Como contristado, mas sempre alegres; como pobres, mas enriquecendo a muitos; como nada tendo, e possuindo tudo” (2 Co 6:10). O anseio pelo ter pode gerar escândalos no meio cristão, principalmente quando se trata de líderes religiosos, que muitas vezes sem medir as consequências buscam a sua própria grandeza, e por isso vêm os escândalos, portanto Paulo diz: “Não dando escândalo em coisa alguma, para que o nosso ministério não seja censurado; (2 Co 6:3), essa é uma recomendação muito precisa de Paulo para os que são separados para o ministério cristão. Devemos viver de maneira humilde sabendo que a nossa recompensa final não está aqui, mas com o Pai celestial como disse Paulo no final da sua carreira  Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.” (2 Tm 4:7-8; Is 4:10; 58:11; Sf 2:10) 

Pr. Elis Clementino

A PERSUASÃO DE PAULO.

 

ESBOÇO 1037

TEMA: A PERSUASÃO DE PAULO.

TEXTO: 2 TIMOTEO 1:12

Quando se fala em persuasão entendemos que também se refere ao convencimento ou convicção na existência de algo, todo indivíduo tem as suas convicções em alguma coisa que ele tenha conhecimento e creia No âmbito espiritual sucede o mesmo, todo aquele que exercita a sua fé em alguma divindade é porque ele crer ou acredita na sua existência. No cristianismo os que creem e confessam a sua fé em Cristo afirma a sua crença nele. Nesse assunto desejo expressar sobre a convicção de Paulo e a nossa crença em Cristo e no seu evangelho.

A certeza do evangelho

A convicção é a confiança inabalável naquilo que você acredita, no entanto as pessoas que resolvem crer no evangelho de Jesus Cristo necessariamente precisam dar o seu testemunho público da sua convicção. O apóstolo Paulo demonstrou tal convicção, confiança e crença em Cristo e no evangelho (2 Tm 1:12).

Cristãos do século passado

No passado não muito distante se percebia que os cristãos exercitavam a sua fé em Deus de maneira completa e pública, eles respiravam Deus, ou seja, tudo que recebiam atribuíam a Deus, pois eram notáveis e constantes os agradecimentos a Ele, principalmente nas realizações dos cultos de ações de graça, quando se convidava a vizinhança para participar daquela graça alcançada, isso era quando conquistava um emprego, conquista de uma casa, do casamento, quando nascia um filho, o carro que comprava e até do dia da sua conversão a Cristo, esse dia era marcado com um culto de ação de graça, tudo era motivo de júbilo, pois tinham atitudes iguais à da mulher que achou a dracma perdida que chamou seus vizinhos para a gradecer (Lc 15:8-10), parecem-nos que naquela época os cristãos respiravam Deus, coisa que praticamente não acontece mais.

Cristãos no século presente

As práticas realizadas no passado foram sendo olvidadas e muitos cristãos começaram a atribuir aos seus próprios méritos àquilo que alcançam, todavia não se ouve mais os agradecimentos de maneira pública por aquilo que se recebem, sobretudo, as primícias dos frutos do seu trabalho (Gn 4:4). Muitos se esqueceram do que disse o Apóstolo Pedro em tudo daí graça (I Ts 5:18). Atualmente parece que os cristãos vivem mais para si, pois dificilmente alguém recebe algo e agradece publicamente nem na própria igreja sobre aquilo que ele alcançou da parte de Deus, a inexistência desses maravilhosos atos de gratidão é notável e isso vai passando para as novas gerações o que não é bom, em relação a isso como serão as futuras gerações se essas práticas não forem atualmente ensinadas no meio cristão?

Os cristãos das futuras gerações

Devemos viver de maneira que a nossa posteridade possa guardar os bons princípios que ensinamos hoje. Como será a geração futura de cristãos se não guardar os nossos ensinamentos? Temos um exemplo típico, os recabitas eram um clã fundado por Recabe, pai de Jonadabe “Segundo o Livro de Jeremias (cap. ... Na época do reinado de Jeoaquim, entre os anos de 609 a.C. e 597 a.C., Jeremias levou Jazanias ao Templo, juntamente com os seus irmãos e filhos, e lhes ofereceu taças de vinho, tendo eles se recusado a beber, demonstrando assim a fidelidade aos ensinamentos de Jonadabe.” (Jr 35:2-6). Uma geração que guarda os ensinamentos e a fidelidade a Deus será uma geração abençoada e próspera e as bênçãos divinas lhes serão garantidas.

Geração que conforma com este mundo

Paulo ensina os crentes a não viverem conforme o mundo, porque as práticas mundanas leva a apostasia. O cristão precisa ter uma vida separada do pecado e uma vida transformada pela renovação do entendimento através do Espirito Santo. A nossa convicção deve ser aquela de Paulo “Eu sei em quem tenho crido” (2 Tm 1:12). A convicção afasta as dúvidas caso ela se aproxime de nós, as nossas convicções nos levam a herdar a vida eterna. Irmãos, voltemos ao princípio da nossa fé, não deixem que a modernidade sufoque as suas convicções em Cristo.

Pr. Elis Clementino

 

A GRANDE TEMPESTADE.

 

ESBOÇO 1036

TEMA: A GRANDE TEMPESTADE.

TEXTO: E levantou-se grande temporal de vento, e subiam as ondas por cima do barco, de maneira que já se enchia... Marcos 4:35-41

Tempestade é um estado climático promovido por ventos muito fortes, podendo acontecer em terra seca como conhecido como tornado, também pode haver tempestades de areia, neve, muitas vezes pode vir acompanhado com chuvas e causar grandes estragos, quando acontece no mar põem em perigo as pequenas embarcações. No texto entendemos como aconteceu no mar quando os discípulos navegavam. Mas nesse comentário não desejo simplesmente de tempestade, mas sobre um episódio onde Jesus demostrou o seu poder sobre a natureza. Esse acontecimento foi descrito nos três evangelhos sinóticos de Marcos, Lucas e Mateus.

Um barco agitado pelos ventos no mar.

Há momentos que não basta ter habilidade para superar momentos críticos que acontecem em nossas vidas. Parecia ser mais uma simples travessia no mar que os discípulos faziam naquela tardinha, havia outros barquinhos, mas havia um com os discípulos e nele Jesus estava, no entanto ele estava cansado e sobre uma almofada dormiu na popa do barco. A tempestade causou  nos discípulos agonia e pavor da morte, talvez os discípulos jamais tivessem experimentado acontecimento semelhante, os ventos sopravam os barcos, mas em um deles Jesus repousava na popa, o que já enchia de água e todos estavam em perigo. Os discípulos não viam outra saída senão avisar o mestre que dormia tranquilamente. É importante saber que Jesus sabia do que estava ocorrendo naquele momento, digo isso por ele ter um dos seus atributos importantes a (Onisciência), o que ele provou em vários momentos sobre a existência desse atributo (Lc 522), mas aquele foi apenas um teste para avaliar o grau de confiança dos discípulos, eles teriam que provar na prática esse grau de confiança, mediante a situação gritaram os discípulos! Mestre acorda! Não vês que estamos perecendo e o barco se enche de água?

Jesus reprende o mar e os ventos.

Levantando-se do repouso repreendeu o vento, e disse ao mar: Cala-te, aquieta-te. E o vento se aquietou e houve grande bonança. Em muitas ocasiões Jesus provou o seu poder sobre todas as coisas, inclusive sobre a morte, porém isso alimenta a nossa fé de que tudo é possível para ele (Mc 9:23) em qualquer circunstâncias. Diante das tempestades da vida só temos uma saída “JESUS”. Quando gritamos por socorro ele vem nos ajudar apaziguando as tempestades, não importa quão grande sejam as ondas do mar e a sua braveza.

            Os discípulos ficaram tão admirados e espantados gritaram que homem é este que até os ventos e o mar lhe obedecem? Jesus faz-lhe uma pergunta, porque sois tão tímidos? Ainda não tendes f? A timidez é um meio termo e isso não é bom, ou seja, vocês já viram tantos milagres e ainda não creem? A fé nele era indispensável para vencer qualquer obstáculo na vida, os discípulos vivenciaram isso no dia a dia. Amados muitas vezes acontecem coisas em nossas vidas que são verdadeiras tempestades e tsunamis, porém o que vale é que Jesus está conosco no barco da vida, pois estando ele no barco jamais naufragará, essa é a garantia da nossa vitória.

Pr. Elis Clementino

Foto