ESBOÇO 767 PONDERANDO AS PALAVRAS



ESBOÇO 767
TEMA: PONDERANDO AS PALAVRAS
TEXTO: “A palavra dura suscita ira, mas a palavra branda desvia o furor.”

            As nossas palavras tanto podem edificar quanto matar as pessoas, isso mostra quão poderosas são, dependendo da maneira como as usamos elas podem tanto destruir sonhos de pessoas, quanto encorajá-las.

1. Palavras que provocam iras
Dependendo do tempo e modo que expressamos as nossas palavras elas podem causar reações capazes de despertar a ira nas pessoas. As palavras arrogantes tem sido a causa de muitas desventuras nos lares, nas amizades, elas magoam as pessoas, entre outros. “A palavra dura suscita ira” (Pv 15:1).

2. Palavras destrutivas
Existem pessoas que as suas palavras são carregadas de negatividade e com maus presságios, as suas imprecações podem atingir e causar infortúnios nas pessoas. Há indivíduos que buscam de alguma maneira proteção que se valham de alguma coisa em busca dela, como amuletos, galho de arruda, pinhão roxo, patuá no pescoço, horóscopos, videntes, entre outros. As palavras destrutivas abatem as pessoas, desestimulam, mutilam os sonhos, fazem-nas adoecerem e até morrerem deprimidas. Salomão disse que as palavras detêm poderes para dar vida e matar (Pv 18:21), ela é um fogo destruidor (Tg 3:6), por isso precisamos ouvir mais e falar menos, (quando falamos muito pensamos pouco) e por falar muito vem os sonhos (Ec 5:3).

3. Palavras de encorajamento
Todo ser humano necessita de palavras de encorajamento, principalmente nos momentos mais difíceis. Josué o sucessor de Moisés foi encorajado pelo próprio Deus mediante a missão que lhe fora imposta por ele (Js 1:9), Jesus também proferiu palavras encorajadoras aos seus discípulos “...tende bom ânimo” (Jo 10:16). As palavras que encorajam devem estar presentes no nosso cotidiano, elas são como combustível que alavanca a nossa autoestima, principalmente em meio os desertos da vida. Os comandantes de tropas encorajam seus soldados a enfrentarem seus inimigos, pois não há pelotões fracos, porém comandantes fracos. Entre tantas palavras encorajadoras proferidas pelo Apóstolo Paulo entre elas destaca-se uma de extrema importância, ela foi dirigida no momento de desespero, pois o navio em que Paulo viajava estava para naufragar, embora a tripulação não queria dar ouvidos ao que Paulo dizia (At 27:9-12, 23,25), as palavras animadoras de Paulo acalmaram a tripulação e todos foram salvos, portanto as palavras animadoras podem salvar vidas.

“A verdadeira motivação vem de realização, desenvolvimento pessoal, satisfação no trabalho e reconhecimento. ” Frederick Herzberg.

“Motivação é a arte de fazer as pessoas fazerem o que você quer que elas façam porque elas querem fazer. ” Dwight Eisenhover.

Precisamos motivar pessoas para que elas desenvolvam as suas potencialidades. “Acredite que você pode, assim você já está no meio do caminho. ” Theodore Roosevelt.

                Precisamos ter muito cuidado com o que falamos, as nossas palavras tanto podem edificar quanto destruir, principalmente quando nos dirigimos as pessoas que estão desanimadas em relação aos seus problemas. Uma palavra de ânimo alavanca a autoestima, tornando-o fortes para iniciar uma nova batalha. O encorajamento divino sempre vem através da sua palavra, mas precisamos dar atenção a elas como fonte de encorajamento.

Pr. Elis Clementino – Paulista -PE
AD Excelência

ESBOÇO 766 SALVAÇÃO, UMA CONCEPÇÃO DIVINA.



ESBOÇO 766
TEMA: SALVAÇÃO, UMA CONCEPÇÃO DIVINA.
TEXTO: JOÃO 3:14-21.

A salvação é o método pelo qual o homem é salvo, esse plano divino somente se tornou completo com o sacrifício de Jesus Cristo, o cordeiro pascal, o qual é lhe dado todo poder de salvar “e em nenhum outro nome” (At 4:12). Ele é a graça divina revelada à humanidade, esse modo de salvar não foi tão simples e nem tão imediato, desde o princípio após a queda do homem no Edem, uma luz acende sinalizando que a salvação já estava por vir (Gn 3:15). Esse plano foi sendo revelado aos poucos até completar a plenitude dos tempos (Gl 4:4). Foi um plano caríssimo, não havia dinheiro que pagasse a redenção de uma alma, somente esse plano seria capaz de redimir o homem dos seus pecados (Sl 49:7), em fim a salvação chegou a todos através da graça de Deus.  A salvação soberana foi oferecida por Deus através do seu filho Jesus Cristo (Jo 3:16; Tt 2:11).

1. O que é salvação?
Salvação é o ato ou efeito de salvar (se), livrar alguém do perigo de morte ou poupar. Ela é o ato soberano de Deus em Cristo a todos e não apenas um grupo (At 4:12). Esta doutrina é chamada de Soteriologia, ou estudo do plano salvífico de Deus.

2. Envolvidos no plano da salvação
a. Pai planejou incluindo eleição e predestinação e chamamento;
b. Filho executou “tudo está consumado”;
c. O Espírito Santo, que convence do pecado, da justiça e do juízo;
d. O homem crer, se arrependimento e aceita a salvação através da fé.

3. A graça de Deus na salvação do homem.
Temos algumas definições sobre a graça de Deus para a salvação do homem. É importante realçar o que Agostinho diz sobre a graça de Deus A graça de Deus não encontra homens aptos para a salvação, mas torna-os aptos a recebê-la”. Na realidade todos pecaram e destituídos estavam da glória de Deus, não havia um justo se quer (Rm 3:12,23). A graça foi derramada sem medida.

4. Significado
4.1. Etimológico - A palavra grega CHARIS tem sentido de favor imerecido;
4.2. Teológico - A graça é o favor imerecido do que Deus gratuitamente concede a raça humana.

5. Objetivo
A finalidade da graça de Deus era salvar o homem da condenação cancelando a ação do pecado e pondo-o em situação privilegiada regiões celestiais em Cristo (Rm 5:2; Ef 2:8). A graça de Deus é a sua misericórdia revelada sobre os homens com o propósito de salva-los.

6. Quando ocorre a benção da salvação?
a. A bênção da salvação ocorre quando o homem crer em Jesus Cristo, como o seu único e suficiente salvador (Ef 2:8; Rm 3:24; 2 Tm 1:9; At 4:12; At 16:31).
b. A salvação é para todos e sem acepção de pessoas, ela Independe de: Raça, tribos, línguas e nações (At 10:34,35);
c.  É para todos quantos creem em Jesus Cristo (1 Jo 2:2; Jo 3:16; Tt 2:11; 1 Tm 2:3-6; Mt 11:28-30; At 17:30-31)

7. A graça, eleição e predestinação são compreendidas como:
a. Graça – Favor imerecido; ajuda divina, Don sobrenatural;
b. Eleição – É a escolha feita por Deus de um povo em Cristo;
c. Predestinação – É o ato ou efeito de predestinar, decidir de antemão ou antecipadamente. A predestinação e eleição se refere à Igreja (o corpo coletivo de Cristo) abrangendo somente aqueles que exercem nele a sua fé viva em Jesus Cristo (Ef 1:5,7,13; At 2:38-41; At 16:31)”.

8. A doutrina da eleição abarca as seguintes verdades:
a. A eleição é cristocêntrica, só ocorre quando a pessoa está unida a Cristo (Ef1:4);
b. A eleição é feita em Cristo pelo seu sangue mediante a sua morte (Ef 1:7; At 20:28b);
c. A eleição em Cristo é em primeiro lugar coletiva e não individual, mas de um povo (Ef 1:4,5,7,9; 1 Pe 1:1;2:9), os eleitos são chamados de o “corpo de Cristo” (Ef 1:23; 4:12), ele a chamou de “a minha igreja” (Mt 16:18) “povo adquirido” por Deus (1 Pe 2:9), “a noiva de Cristo” (Ap 21:9;
f. A eleição é coletiva e só abrangendo somente o indivíduo quando ele se une e se identifica com o corpo de Cristo;
g. A eleição para a salvação e a santificação do corpo de Cristo é inalterável, mas individualmente a certeza dessa eleição depende muito da condição da fé pessoal em Cristo Jesus e a perseverança na união com ele;
h. A eleição para a salvação é oferecida a todos (Jo 3:16,17; 1 Tm 2:4-6; Tt 2:11; Hb 2:9).

9. A regeneração.
A palavra regeneração significa “gerar de novo ou nascer outra vez” isso significa mudança, ela é necessária para termos acesso aos céus (Jo 3:3; 1 Jo 3:9; 1 Jo 2:29).

10. A Justificação.
A palavra justificação significa tornar ou declarar justo, pois ela acontece na vida da pessoa quando ela aceita Cristo como o seu salvador, assim sendo seremos justificados por ele. (Rm 3:25,26).

11. Os benefícios da justificação
a. Inocentar o culpado, Jesus é a nossa justificação, ele é o nosso advogado (filhinhos não pequeis, mas se pecar temos um advogado junto ao pai (1 Jo 2:1);
b. Habilita-nos para a entrada no reino dos céus.

12. A adoção
a. Depois que uma pessoa aceita a Cristo como seu salvador, ele será adotado por Deus por meio de Jesus Cristo para ser seu filho.
b. Deus nos adotou por meio de Jesus Cristo;
c. Os adotados e os seus privilégios participaram da herança de Deus em Cristo (1 Jo 3:2; Hb 2:11; Rm 8:7).

13. A santificação
A santificação significa separação do homem do pecado, uma vida de consagração a Deus, sem ela não veremos o Senhor (Hb 12:14), ela é o meio pelo qual temos comunhão com Deus.

O plano de redenção para o homem foi perfeito, ele abrange a toda criatura sem acepção de pessoas, ele foi concedido unicamente pela graça divina “pela graça sois salvos” e não pelos nossos méritos. A salvação nos trouxe muitos benefícios como o novo nascimento, a adoção, a regeneração e a justificação, porém nada disso acontecerá se o indivíduo não se arrepender dos seus pecados e receber a Cristo como seu único e suficiente salvador. Devemos dispensar qualquer ensinamento que apresente salvação para o homem fora de Cristo ou pelos méritos humano.

Pr Elis Clementino – Paulista –PE - AD Excelência

ESBOÇO 765 AS OBRAS DA CARNE



ESBOÇO 765
TEMA: AS OBRAS DA CARNE
TEXTO: GÁLATAS 5:23

                Obras, resultado do trabalho realizado ou resultados daquilo que se produz. Tudo o que há no mundo produz alguma coisa, natureza, árvores, animais e os homens, todos foram postos nesse mundo para produzirem, mesmo que os resultados sejam bons ou más. O homem pode praticar as obras da carne, mas também praticar as obras resultantes do fruto do Espírito.

As obras da carne agem de maneira contrária ao fruto do Espírito, as obras da carne se apresentam através das ações pecaminosas contraídas na queda do homem no Edem. A natureza pecaminosa pode ser combatida e não eliminada totalmente, a não ser quando vier aquele que é perfeito “Cristo”, onde todas as más obras serão aniquiladas.

1.1. As obras da carne são:
1.2. Adultério, infidelidade conjugal, traição.
1.3. Fornicação é uma tradução originada da palavra grega “pornéia” que corresponde a imoralidade sexual ou prostituição;
1.4. Impureza, qualidade de impuro;
1.5. Lascívia, impureza na prática sexual, libidinagem, luxuria ou pensamentos imorais em relação ao sexo, obras da carne.
1.6. Idolatria, eleva algo ou criatura como um Deus;
1.7. Feitiçaria, bruxarias, invocação dos mortos e etc;
1.8. Inimizades, intrigas;
1.9. Porfias, discussões, brigas entre pessoas;
1.10. Emulações, sentimento que incita as pessoas excederem ou imitar autras;
1.11. Iras, cólera, vingança;
1.12. Pelejas, disputas;
1.13. Dissensões, brigas, discussões;
1.14. Heresias, ensinamentos falsos;
1.15. Invejas, ambição, desejo do que é dos outros;
1.16. Homicídios, mortes, assassinatos;
1.17. Bebedices, embriagues;
2.18. Glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. (Gl 5:19-21). Devemos orar e vigiar para não dar lugar a carne, o espirito está pronto mais a carne é fraca (Mt 26:41).

2. O fruto Espírito
Conforme Paulo o fruto do Espírito, mas entendo ele tendo as subdivisões, cujas manifestações são
2.1. Amor, afeição,
2.2. Gozo, alegria e felicidade;
2.3. Paz, ausência de guerras e conflitos;
2.4. Longanimidade, paciente;
2.5. Benignidade, qualidade de benigno;
2.6. Bondade, qualidade de bom;
2.7. Fé, confiança e certeza;
2.8. Mansidão, qualidade de manso;
2.9. Temperança; sensatez, moderação e comedimento.

                O Apóstolo Paulo foi abrangente enfático em sua carta, visto que todas essas coisas aconteciam na igreja. Ele apresenta as obras da carne e o fruto do Espírito para mostrar a diferença entre o que é proveniente de Deus e da carne. A prática das obras da carne é muito comum para alguns crentes atualmente, muitos não levam em consideração a pratica das obras da carne, como também as resultantes do fruto do Espírito. O resultado das praticas das obras da carne deixa o homem de fora do reino de Deus (Gl 5:19-21). A prática do fruto do Espírito exige renúncia e auto controle, enquanto as obras da carne é praticada de maneira voluntária, elas são frtuos de uma vida pecaminosa. O fruto do Espírito produz no crente tudo aquilo que é aprovado por Deus, porque o resultado do fruto do Espírito são as boas obras de devem ser praticadas pelos cristãos e contra elas não há lei, ou seja, não há lei para condená-los. Irmão devemos ter cuidado para que os frutos da carne não dominem a nossa mente e coração, mas tudo o que é produzido pelo fruto do Espírito.

Pr. Elis Clementino – Paulista -PE
AD Excelência

Foto